Tratamentos para a Síndrome de Down


Síndrome de Down

Criança portadora da doença

Pesquisas pelo mundo trazem esperança de cura!

Causada por um distúrbio genético, onde a presença ou uma cópia extra do cromossomo 21, ocasiona uma falha no processo de geração dos neurônios, essa síndrome é responsável por um mal desenvolvimento do sistema nervoso, o que, consequentemente prejudica em muitos aspectos a formação do portador. O atraso se dá tanto nas funções motoras do corpo, quanto nas funções mentais.

 

Como se manifesta a síndrome?

Os bebês são molinhos e inativos, devido à hipotonia, que vai cedendo com o tempo e eles então, conseguem manter a cabecinha firme, virar-se na cama, engatinhar, falar e caminhar, porém, mais tarde do que as outras crianças, não portadoras da síndrome. Durante bastante tempo, costumavam chamar a síndrome de mongolismo. Os portadores também podem apresentar variações das limitações e dos progressos que podem alcançar mesmo tardiamente.

Apesar das diferenças até mesmo no desenvolvimento de seu potencial, já que algumas recebem estímulos desde cedo, todas sofrem com problemas de saúde. Umas tem déficit severo cognitivo, outras apresentam-se próximas da deficiência intelectual leve e todas essas variações podem interferir no desenvolvimento e possível adaptação social.

 

Como é a vida de quem tem a síndrome?

Síndrome de Down

Mesmo com o atraso no desenvolvimento, desde criança os portadores vão aprendendo suas tarefas diárias e novas lições de acordo com seu ritmo e participam da vida social da família normalmente.

Alguns se tornam independentes já na adolescência, podendo seguir estudando, como alguns que chegam ao ensino superior. Outros, após o ensino fundamental encontram trabalhos de acordo com suas aptidões e habilidades. Podem praticar esportes, passear, namorar, viajar, enfim, tudo dependendo das limitações individuais. Podem namorar e casar também, mas, além da dificuldade em administrar seu dinheiro  e a família,  há a possibilidade de terem filhos com a síndrome.

Os portadores geralmente apresentam os seguintes problemas de saúde: má formação cardíaca; má formação do intestino; problemas respiratórios; deficiência imunológica; problemas de visão; problemas de audição.

 

Existe cura para a Síndrome de Down?

Até pouco tempo, pensava-se que não existia possibilidade de curar essa síndrome, mas, em recente pesquisa realizada na Universidade de Bologna (Itália), publicada em 30 de junho de 2010, foram realizados estudos em camundongos modificados geneticamente para simular a Síndrome de Down, os quais receberam o antidepressivo Prozac  (fluoxetine) em seus primeiros dias de vida e, após testes cognitivos, apresentaram evidente melhora, revertendo a anomalia e possibilitando um desenvolvimento normal.

Logicamente, esses estudos ainda deverão ser analisados cuidadosamente por algum tempo, até que se mostrem seguros para serem usados em humanos. De qualquer forma, essa possibilidade é uma grande notícia, que deverá trazer muita alegria e esperança, assim como todas as descobertas científicas que possibilitam alento e esperança para os portadores de doenças.