Informações sobre a Parada Gay de São Paulo: data, como participar, história…


Parada GayCombater a vergonha, quebrar os preconceitos e apoiar a igualdade dos homossexuais é a intenção da Parada Gay, movimento que já tem ação em vários países e que conta com o apoio não só dos homossexuais, mas com o de celebridades (muitas delas hétero) que apóiam o movimento.

No Brasil a maior Parada do orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) ocorre na capital de São Paulo, levando as manifestações até a Avenida Paulista desde 1997, atraindo turistas até a cidade e levando mais de 4 milhões de pessoas até as ruas para a marcha. A parada busca por meio de temas anuais, mostrar as pessoas que o homossexualismo é normal, não é uma doença como alguns dizem e muito menos orientação ou escolha, pois titular a homossexualidade como orientação sexual implica dizer que eles foram orientados por alguém a ser assim, ou mesmo chamar de escolha sexual, que dá no mesmo, afinal ninguém nasce e escolhe quem irá amar ou por quem irá se sentir sexualmente atraído.

Organizada pela APOGLBT, o movimento mostra a quantidade de homossexuais em várias profissões, que eles visam constituir família, que abraçam a diversidade com amor e que estão dispostos e conseguir a sua cidadania, promovendo a auto-estima de uma população que vive a beira de ataques de homofobia, violência resultada do medo e desprezo de alguns heterossexuais em relação aos gays.

Apesar de o foco maior ocorrer na capital paulista, muitos são os outros estados e até cidades de interior que realizam a parada do orgulho gay, alguns até realizando concursos e outros tipos de festividades.

A marcha

A marcha, assim como qualquer movimento social, oferece serviços gratuitos para com a sociedade, como:

  • Registro de união estável entre casais homoafetivos;
  • Reuniões abertas semanais para identificação de demandas de cada segmento da comunidade LGBT e criação de redes de apoio entre seus participantes;
  • Acolhimento e encaminhamento de casos de discriminação e violência;
  • Assessoria jurídica gratuita em casos de homofobia;
  • Prevenção primária e secundária às DST/Aids e hepatites;
  • Promoção da saúde integral;
  • Acolhimento psicológico gratuito à população LGBT;
  • Palestras, oficinas e workshops em universidades, escolas e empresas, abordando questões sobre sexualidade e cidadania;
  • Intervenções educativas sobre direitos e cuidados com a saúde nos locais de frequência LGBT;
  • Debates e fóruns políticos com outros grupos de militância LGBT, grupos de direitos humanos e outros movimentos sociais no Brasil;
  • Participação em comissões e representações governamentais (municipais, estaduais, federais e internacionais);
  • Participação crítica nos processos de construção e análise de leis que favorecem a cidadania LGBT;
  • Mobilização e conscientização de grupos sociais em defesa dos direitos humanos, apontando para questões de preconceito e discriminação por orientação sexual;
  • Atuação crítica sobre a imprensa e políticos no tratamento das questões referentes à diversidade sexual;
  • Atividades culturais, apontando para aspectos de direitos humanos, respeito e convivência com a diversidade, sexualidade, desconstrução de estereótipos etc;
  • Exposições de artes plásticas, fotografias, esculturas, performances etc, com artistas e temáticas LGBT (ou identidade com este público) como forma de expor a cultura própria desse universo de forma positiva e educativa ao público geral;
  • Incentivo a peças teatrais que abordem a temática de forma coerente e positiva (ou criação de novas peças e encenação das existentes) por meio de divulgação e promoções junto aos associados e a comunidade;
  • Incentivo a novas obras literárias que abordem a temática de forma explicativa, biográfica, romanceada e/ou poética;
  • Atendimento a pesquisadores e estudantes para realização de mestrados, doutorados e trabalhos acadêmicos;
  • Incentivo aos trabalhos acadêmicos (graduação, mestrados e doutorados) como forma de atualização das informações sobre diferentes aspectos;
  • Capacitação de novos ativistas;
  • Estágio supervisionado para universitários em diferentes áreas de formação;
  • Participação anual na reunião da Interpride, organização internacional de paradas do orgulho LGBT.

A última parada ocorreu em 26 de junho de 2011, e visou lutar por leis que protejam os homossexuais dos ataques homofóbicos, atitudes que vem gerando uma onda imensa de mortes de cidadãos iguais aos outros, mas tão brutalmente agredidos.

Fotos

Parada Gay

Parada Gay no Rio de Janeiro

Serginho do BBB na Parada Gay

Parada Gay - Salvador