Frases de Mussum


Frases de Mussum

Veja uma seleção de frases engraçadas ditas por Mussum, o Trapalhão mais engraçado da turma! | Foto: Reprodução

O carioca Antônio Carlos Bernardes Gomes, mais conhecido pelo seu nome artístico Mussum, foi um humorista, ator, comediante e músico muito querido pelos brasileiros. Antônio nasceu no Rio de Janeiro em 7 de abril de 1941 e durante sua vida fez parte do grupo de samba Os Originais do Samba e participou de Os Trapalhões, um programa de humor que conquistou vários fãs ao redor do território nacional. Depois de complicações no coração, o ator foi submetido ao transplante desse órgão, mas acabou não resistindo. O dia 29 de julho de 1994 ficou marcado como um dia triste para os fãs de seu trabalho, pois aos 53 anos de idade morria um dos mais queridos humoristas brasileiros do momento. Mussum foi sepultado em São Paulo e deixou um legado de 27 filmes com Os Trapalhões, além de mais de duas décadas de participações na TV.

Frases do Trapalhão Mussum

  • “Não sou faixa Preta cumpadi, sou preto inteiris, inteiris.”
  • “Paisis, filhis, espiritis santis.”
  • “Suco de cevadis deixa as pessoas mais interessantis.”
  • “Mais vale um bebadis conhecidis, que um alcoolatra anonimis.”
  • “Todo mundo vê os porris que eu tomo, mas ninguém vê os tombis que eu levo!”
  • “Ta deprimidis? Eu conheço uma cachacis que pode alegrar sua vidis…”
  • “Vai caçá sua turmis!”
  • “Se suco de cevadis atrapalha seu casamentis, abandone sua mulher, cacildis!”
  • “Tá tudo muito paradis? Tome um mé que o mundo vai girarzis!”
  • “Minha vidis é um litro abertis.”

Os anos de carreira de Mussum

Antônio Gomes foi um rapaz de origem humilde que estudou durante nove anos em um colégio interno, serviu na Força Aérea Brasileira por oito anos e ao mesmo tempo era apaixonado por música e cultura. Enquanto servia, ele aproveitava para participar da Caravana Cultural de Música Brasileira de Carlos Machado, sendo músico e sambista. Algum tempo depois, fundou o grupo Os Sete Modernos, depois chamado de Os Originais do Samba. Na década de 1960, Antônio foi convidado a participar de um show televisivo, no entanto recusou o convite. Cinco anos depois, resolve estrear em um programa de humor chamado Bairro Feliz, onde ganhou o apelido “Mussum” de Grande Otelo. Em 1969, recebe um convite para integrar o grupo humorístico Os Trapalhões e foi então que começou a fazer muito sucesso com o seu personagem cômico.

O Trapalhão

Anos de trabalho para a turma dos Trapalhões renderam a Mussum o carinho dos fãs e o título de mais engraçado da turma. Nesse programa, ele popularizou o seu modo singular de falar: substituindo algumas sílabas finais por “is” ou “évis” em palavras aleatórias, por exemplo, “forevis”, “coraçãozis” e “cacildis”; e também pelo inseparável “mé”, que era a gíria para cachaça. Seu personagem consumia constantemente bebidas alcoólicas, principalmente a cachaça, e sempre fazia piadinhas com as bebidas. Brincadeiras com os outros membros dos Trapalhões aconteciam constantemente, inclusive quando apelidos novos eram inventados, porém tudo não passava de uma gozação saudável entre amigos.