Quem escreveu a letra do hino nacional brasileiro?

Quem escreveu o hino nacional brasileiro? Qual é a história por trás da canção? Existiram outras versões antes da atual? Essas são perguntas que podem ser feitas por muitas pessoas, uma vez que a história por trás de um dos quatro símbolos oficiais do país não é tão divulgada.

A letra do hino atual foi oficializada em 1922, em comemoração ao primeiro centenário da independência do país e foi comprado por 5 contos de réis. No entanto, a música já era usada desde o ano de 1831, período no qual ocorreu a abdicação de Dom Pedro I.

Para saber mais sobre essa história fascinante, este artigo é dedicado a falar tudo sobre o hino nacional. Portanto, tire todas as suas dúvidas sobre essa canção, como quem criou, quais são as versões anteriores e ainda algumas curiosidades interessantes.

Quem escreveu a letra do hino nacional?

A letra do hino nacional foi escrita pelo poeta e jornalista Joaquim Osório Duque Estrada. Aliás, a letra era originalmente um poema e foi escrita para um concurso realizado em 1909.

Letra do hino brasileiro

A letra do hino nacional brasileiro foi escrita por Duque Estrada (Foto: depositphotos)

A melodia, no entanto, já era tocada desde abril de 1831, composta na ocasião em que Dom Pedro I abdicou do trono. Apesar disso, a melodia não se encaixava perfeitamente nas primeiras letras, fazendo com que apenas cantores de ópera conseguissem cantar.

Duque Estrada recebeu pela composição um total de 5 contos de réis. Quando convertido para valores atuais, o valor recebido por ele equivaleria a aproximadamente R$ 600 mil..

Uma curiosidade é que esse não foi o primeiro hino nacional. Houveram ainda outras duas letras, que foram escritas ainda na época do Brasil Império. Contudo, elas foram abandonadas com a proclamação da república, em 1889. Isso aconteceu devido à uma tentativa de substituir todos os símbolos imperiais.

Desde a sua oficialização, o hino nacional sofreu diversas alterações na sua letra e ritmo. Nove delas foram feitas pelo autor, Duque Estrada, que era perfeccionista e queria enquadrar a letra perfeitamente no ritmo.

A última alteração a respeito do hino nacional na constituição ocorreu em 1971. A lei de número 5.700 dita todas as condições prévias que devem ser obedecidas no momento da execução do hino.

Quando ela se tornou oficial?

O hino nacional tornou-se oficial por um decreto presidencial assinado em 1922. O decreto foi assinado pelo então presidente Epitácio Pessoa, que ficou no poder de 1919 até 1922.

A partir dessa data, a composição que já foi chamada de “Hino de 7 de abril” e “Marcha Triunfal”, recebeu o nome de hino nacional da República Federativa do Brasil.

Posteriormente, o hino nacional passou por algumas alterações, que serviam para adequar a letra à melodia. Entretanto, nenhuma alterou drasticamente a composição original.

Em 1971, outro decreto foi assinado. Nesta data, o hino tornou-se um dos quatro símbolos oficiais da pátria, junto com a bandeira nacional, as armas nacionais e o selo nacional.

Dessa maneira, são regidos pela constituição que determina os moldes corretos para o seu uso e execução, seja em eventos públicos nacionais ou cerimônias internacionais.

Por que a música foi feita antes da letra?

A música que acompanha o hino nacional foi elaborada pelo compositor, maestro e professor Francisco Manuel da Silva, em 1831. A melodia foi composta devido à abdicação de Dom Pedro I ao trono imperial.

Ela foi tocada pela primeira em 14 de abril daquele mesmo ano, no Teatro São Pedro do Rio de Janeiro. A primeira letra foi escrita pelo desembargador Ovídio Saraiva de Carvalho e era marcada pelo antilusitanismo.

Isso significa dizer que a letra possuía diversos versos considerados racistas, como por exemplo: “Homens bárbaros, gerados de sangue Judaico e Mouro. Desenganai-vos: a Pátria já não é vosso tesouro.”

Em 1841, outra letra foi escrita devido à coroação de Dom Pedro II. No entanto, a composição anônima não agradou a maioria dos brasileiros e logo foi esquecida.

Uma vez que o novo imperador foi coroado, ocorreu o retorno dos conservadores, levando à uma volta da imagem de herói que era associada a Dom Pedro I. Com isso, o hino que foi escrito por ele passou a ser usado junto com a letra de Francisco Manuel da Silva.

No início, a composição era chamada de “Hino à independência” e, na década seguinte, ele passou a ser entoado como sendo o oficial. Após a proclamação da república, em 1889, o hino monarquista continuou a ser usado.

Assim, foi instaurado um novo concurso para escolher uma canção que simbolizasse a nova república. Mas, temendo a inserção de ritmos africanos, alguns intelectuais da época passaram a pressionar o então presidente provisório, Marechal Deodoro.

No ano seguinte, um decreto presidencial oficializou a música, mas não a letra. Ou seja, o hino era executado somente pelos instrumentos musicais. Apenas em 1909, outro concurso foi feito e definiu a canção como hoje conhecemos.

Quantas versões teve a canção?

Ao longo de sua história, o hino nacional teve quatro versões. A primeira foi escrita pelo imperador Dom Pedro I e exaltava a força nacional e o ato da independência, que ocorreu em 1822.

No ano de 1831, outro hino foi composto. Como já foi dito anteriormente, a canção surgiu na ocasião da abdicação do imperador ao trono e ao crescente movimento antilusitano.

Essa versão perdurou 10 anos, quando foi trocada em decorrência da coroação de Dom Pedro II. Houve outra letra em comemoração a esse fato, no entanto, não se sabe quem foi o autor ou quando ela foi escrita.

Com a proclamação da república, a letra foi retirada e o hino passou a ser representado apenas com o instrumental. Apenas em 1909, o hino como conhecemos atualmente foi escolhido e, oficializado 13 anos depois. Mesmo assim, usando como base a mesma melodia criada em 1831.

Qual é o significado do hino nacional?

Quem resolve ler a letra do hino nacional pode ficar um pouco confuso com relação às expressões usadas. Isso acontece devido a dois fatores principais: a época produzida e o estilo de escrita do autor.

Em primeiro lugar, a letra foi composta no início do século passado. Sendo assim, contem muitas expressões que caíram em desuso com o tempo. Em segundo lugar, Duque Estrada era parnasiano, seguindo a linha de perfeição das palavras, uma característica comum dessa escola literária.

Bandeira do Brasil

Assim como a bandeira, o hino brasileiro faz referência à história do Brasil e às belezas naturais do país (Foto: depositphotos)

Portanto, a canção é repleta de metáforas e construções complexas. Além disso, o hino é baseado em características nacionais e que servem para exaltar a soberania do território. Sendo assim, a letra é recheada de menções à proclamação da independência e à grandeza do território nacional.

Ainda nas estrofes, são mencionadas diversas vezes as belezas naturais, a força e a coragem do povo brasileiro. Já na segunda parte do hino, são expostas as qualidades da jovem pátria e as riquezas naturais presentes no território.

Significados de algumas palavras

Desde o início do século 20, quando o hino nacional foi escrito, muitas palavras caíram em desuso. Por isso, muitas pessoas podem desconhecer o conceito de algumas expressões que aparecem na letra.

Com a finalidade de mostrar algumas dessas palavras, separamos neste artigo o significado das palavras mais importantes que podem ajudar a interpretar toda a beleza da composição. Confira a seguir a seleção de alguns termos que não são usados com frequência e os seus significados.

  • Plácidas: calmas, tranquilas
  • Ipiranga: rio onde foi proclamada a independência do Brasil, em 1822
  • Brado: significa grito
  • Retumbante: som que se espalha com barulho
  • Fúlgido: que brilha, cintilante
  • Penhor: é uma espécie de garantia. Até pouco tempo atrás existiam as casas de penhor, onde você deixava um bem de valor em troca de dinheiro. Esse bem servia como uma garantia de que a casa receberia o pagamento pelo empréstimo. Nesse sentido, quando o valor não fosse pago, o objeto passaria a pertencer a casa de penhor
  • Idolatrada: cultuada, amada
  • Vívido: intenso
  • Formoso: lindo, belo
  • Límpido: puro, que não está poluído
  • Cruzeiro: refere-se à constelação do Cruzeiro do Sul, que pode ser vista de todo o território nacional
  • Resplandece: refere-se a algo que brilha, iluminado
  • Impávido: corajoso
  • Colosso: grande
  • Fulguras: brilhas, desponta com importância
  • Florão: flor de ouro
  • Garrida: florida, enfeitada com flores
  • Lábaro: bandeira
  • Ostentas: é algo que é mostrado com orgulho
  • Flâmula: bandeira
  • Clava: é o nome dado à uma arma primitiva de guerra, tacape.

Letra do hino nacional completa

O hino nacional pode ser encontrado em todos os livros didáticos de escolas públicas. Com a sua melodia típica, é possível reconhecer a partir dos primeiros acordes. Separamos aqui a letra completa do hino nacional brasileiro. Confira.

Parte 1

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas

De um povo heroico o brado retumbante

E o sol da liberdade, em raios fúlgidos

Brilhou no céu da pátria nesse instante

Se o penhor dessa igualdade

Conseguimos conquistar com braço forte

Em teu seio, ó liberdade

Desafia o nosso peito a própria morte!

Ó Pátria amada

Idolatrada

Salve! Salve!

Brasil, um sonho intenso, um raio vívido

De amor e de esperança à terra desce

Se em teu formoso céu, risonho e límpido

A imagem do Cruzeiro resplandece

Gigante pela própria natureza

És belo, és forte, impávido colosso

E o teu futuro espelha essa grandeza

Terra adorada

Entre outras mil

És tu, Brasil

Ó Pátria amada!

Dos filhos deste solo és mãe gentil

Pátria amada

Brasil!

Parte 2

Deitado eternamente em berço esplêndido

Ao som do mar e à luz do céu profundo

Fulguras, ó Brasil, florão da América

Iluminado ao sol do Novo Mundo!

Do que a terra, mais garrida

Teus risonhos, lindos campos têm mais flores

Nossos bosques têm mais vida

Nossa vida no teu seio mais amores

Ó Pátria amada

Idolatrada

Salve! Salve!

Brasil, de amor eterno seja símbolo

O lábaro que ostentas estrelado

E diga o verde-louro dessa flâmula

Paz no futuro e glória no passado

Mas, se ergues da justiça a clava forte

Verás que um filho teu não foge à luta

Nem teme quem te adora a própria morte

Terra adorada

Entre outras mil

És tu, Brasil

Ó Pátria amada!

Dos filhos deste solo és mãe gentil

Pátria amada

Brasil!

Regras para que o hino seja tocado

Mostramos neste artigo quem escreveu a letra do hino nacional e quem foi o autor da melodia. No entanto, é preciso saber que existem regras que determinam a maneira correta da execução dele.

Essas regras estão previstas na lei de número 5.700, de 1º de setembro de 1971, da Constituição. Nela, estão previstas todas as normas para a utilização dos quatro símbolos nacionais, que servem para garantir a padronização.

Seleção brasileira cantando hino

De acordo com a Constituição, é preciso demonstrar respeito perante o hino nacional (Foto: depositphotos)

As normas à respeito do hino falam sobre a tonalidade que deve ser usada, tanto no canto quanto no instrumental. Além de mostrar também em quais locais é prevista a sua execução total ou parcial, obrigatória e opcional. Uma vez que o hino representa a identidade nacional.

Por exemplo, nos eventos em continência à Bandeira Nacional e ao Presidente da República, como também ao congresso e ao Supremo Tribunal Federal, é necessária a execução completa do hino.

Outros eventos são o hasteamento da bandeira e na abertura de competições esportivas, que são organizadas pelo Sistema Nacional do Desporto. A lei também veda a execução em continência no hino fora dos casos previstos anteriormente.

Por fim, o hino nacional sempre deve ser executado integralmente e todos as pessoas devem apresentar respeito perante o símbolo.

Sobre o autor

Jornalista com formação completa no curso de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo (UniFavip-DeVry). Experiência prática de dois anos em produção jornalística para TV e rádio (Mtb-PE: 6770). Atualmente atua na área de redação para web, nas áreas de educação, beleza e saúde alternativa. Além da formação no curso superior, possui experiência em produção de vídeo, diagramação de livros e revistas e marketing.