Publicado por Redação

Embora pareçam ser a mesma coisa, ironia e sarcasmo são figuras de linguagem diferentes. A língua grega já nos dá um direcionamento em relação ao significado de cada uma. Em grego, a palavra euroneia (ironia) significa fingir, dissimular. Já sarkasmós (sarcasmo) refere-se à zombaria, escárnio.

Na prática, a ironia pode se apresentar de três formas: a oral, quando falo uma coisa, mas na verdade quero dizer outra; a dramática, quando diferencio o discurso da minha real intenção; e a de situação, que ocorre quando a minha intenção é uma, mas o resultado do trabalho é outro. Para simplificar é quando você expressa uma coisa, mas quer dizer outra.

Um exemplo de uma ironia é a seguinte: “Você é tão legal, que ninguém gosta de você”. Essa frase expressa uma ironia, pois o que o interlocutor quer afirmar é que a pessoa não pode ser tão legal assim, pois ninguém gosta dela.

Já sarcasmo podemos afirmar que é uma versão mais pesada, onde está implícito um tom provocativo, malicioso, de crítica. Veja um exemplo de sarcasmo: “Ao ver uma luz no fim do túnel, certifique-se que não é o trem”. Essa frase exemplifica bem como é o sarcasmo: é mordaz e zombador.

Qual a diferença entre sarcasmo e ironia?

Foto: depositphotos

Conheça outras figuras de linguagem

Metáfora: quando você substitui uma palavra por outro que tem um significado diferente, mas acaba dando a ela naquele contexto o mesmo sentido que a anterior. Exemplo: “Meus pensamentos viajam”;

Metonímia: é quando uso somente uma parte do raciocínio, mas o mesmo é compreendido. Muito utilizado para evitar a repetição de palavras. Segue exemplo: “Minha vida só existe por conta da sua” (termo suprimido: vida);

Sinestesia: é quando mistura as sensações do corpo humano. Por exemplo: “Senti o gosto quente da vingança nas mãos”;

Catacrese: é quando a gente atribui nomes a coisas que não são chamadas assim, como por exemplo: céu da boca.

Antítese: é quando usamos palavras de sentido contrário. Por exemplo: “Estou tão cansada que estou dormindo de olhos abertos”;

Paradoxo: é quando afirmamos algo que vai no sentido contrário da usual. “Uma moça feia tão bonita”.

Eufemismo: é quando você troca um termo pesado por um mais leve para causar menos impacto. “Você faltou com a verdade”, no lugar que dizer simplesmente que a pessoa mentiu;

Hipérbole: é um exagero nas palavras, como “Estou morrendo de calor”. Não se trata de uma morte iminente, mas sim de uma forma de dar força à expressão.

Veja mais!