Quincas Borba: resumo do livro e informações sobre o autor


Resumo do livro Quincas Borba

Confira o resumo do livro Quincas Borba. | Imagem: Reprodução

Quincas Borba é um livro de romance, escrito pelo renomado Machado de Assis, sendo publicado pela Livraria Garnier em 1892. Muitos o consideram uma “continuação” à ironia e ao pessimismo de “Memórias Póstumas de Brás Cubas”. Confira mais um pouco sobre a história do autor e o resumo desse livro.

Machado de Assis

Machado de Assis nasceu no Rio de Janeiro em 21 de junho de 1839. Foi um escritor que até hoje é lembrado como um dos maiores ícones da literatura nacional. Por ter presenciado a transição do Império para a República, ele teve bastante inspiração para escrever, comentando e relatando os eventos sociais e políticos daquela época.

Apesar de ter nascido em uma família sem muitos recursos, ele queria subir socialmente. O modo que encontrou para fazer isso foi usando sua superioridade intelectual, ocupando cargos em entidades importantes, como no Ministério da Agricultura e no de Obras Públicas. Tamanha maturidade, fez com que ele fosse eleito por unanimidade, para ser o presidente da Academia Brasileira de Letras.

Machado de Assis também é considerado o introdutor do Realismo no Brasil, através de sua obra “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, que apesar de seguir o roteiro de um romance, possui toques de ironia e pessimismo.

Em 29 de setembro de 1908, Machado de Assis vem a falecer, em decorrência de uma úlcera cancerosa que havia em sua boca. Atualmente, é um dos escritores mais homenageados do país, sendo lembrado como um gênio, no patamar de William Shakespeare e Camões.

Resumo do livro Quincas Borba

A história do livro gira em torno de Rubião, que foi o enfermeiro e também melhor amigo do filósofo Quincas Borba (que é retratado em “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, do mesmo autor).

Após a morte de Quincas, Rubião herda toda a sua fortuna, o que o leva a trocar a sua vida pacata de província, para viver na corte, mudando-se para o Rio de Janeiro. Ele leva junto o cão que pertencia a Quincas, o qual mandou cuidar muito bem, do contrário, perderia toda a herança.

No trem a caminho do Rio de Janeiro, Rubião conhece e faz amizade com o casal Palha e Sofia. Os dois logo percebem que ele se trata de um jovem ingênuo e rico, pronto para ser enganado pelo primeiro espertinho que cruzar o seu caminho.

Rubião começa a se encantar cada vez mais pela beleza de Sophia, passando a frequentar sua casa e confiando cegamente no casal. Palha, esse “novo amigo”, é um comerciante esperto e logo se oferece para administrar toda a fortuna de Rubião, pegando para si boa parte dos seus lucros.

Ele então decide declarar o seu amor à Sophia, que recusa todo o afeto do jovem e vai se queixar ao marido de tal acontecimento. Palha fica sabendo de tudo mas finge não ligar, pois estava interessado em roubar a fortuna de Rubião. Aos poucos, esse amor não correspondido de Sophia, acaba despertando a loucura no jovem, deixando-o desorientado.

Totalmente louco, começa a achar que é Napoleão e morre agonizando, repetindo as palavras: “Guardem a minha coroa […]”, “Ao vencedor, as batatas”.

Personagens

  • Pedro Rubião de Alvarenga, que herda toda a fortuna de Quincas Borba;
  • Quincas Borba, um filósofo muito rico, que morre de infecção pulmonar;
  • Cristiano de Almeida e Palha, um comerciante esperto e interesseiro;
  • Sophia, sua esposa, por quem Rubião se apaixona.