O que o filho de Allah compraria?


Consumismo

Tudo na vida depende do ponto de vista pelo qual é visto. Se você está numa carroça de burro em movimento, pro mendigo-pedestre você está em moviemtno, já para o jumento que te puxa você está parado (PS: Cuidado pra não ficar na frente do jumento!).

Em outros ramos da vida também é assim. Do mesmo jeito que nós somos vitimas de empresas que produzem verdadeiras porcarias de produto, estas mesmas empresas são vítimas de clientes xaropes que só fazem reclamar.

Tomando como partido a opção de que as empresas estão influenciando um super consumismo, Rob VanAlkemade e Morgan Spurlock (também produtor do filme “Super size me – A dieta do palhaço“) criaram um documentário chamado “O que Jesus compraria?“.

Neste documentário um ator vestido como um pastor mais um coral gospel sai pelos Estados Unidos “invadindo” shopping centers, megalojas e cafés da rede Stabuck pregando anti-consumismo. Reverendo Billy, como é chamado, utiliza-se de palavras muito fervorosas que em alguns casos acabaram assustando muitos clientes destas lojas, o que resultou na prisão do pobre Billy (leia mais sobre o filme).

Como eu já mencionei aqui, a apelação feita pelas empresas para nos levar a comprar seus produtos está muito grande. Eu vejo assim como cliente, mas quem está dentro duma empresa sabe como está acirrada a concorrência e de que o jeito é apelar mesmo.

Eu gostaria de saber, Afinal, quem está errado? As empresas por empurrarem produtos e mais produtos em nossa direção, ou nós que apesar de reclamarmos desta situação, sempre colocamos a mão no bolso para comprar o que nos é ofertado.