O que é Ku Klux Klan: história desta sociedade racista


Ku Klux Klan

Foto: Reprodução

Também conhecida como KKK, a Ku Klux Klan consiste em uma organização de cunho racista e seguidora do protestantismo, fundada nos Estados Unidos no ano de 1865. Tudo começou como uma brincadeira feita ao fim da guerra e secessão nos EUA (que declarou o fim da escravidão dos negros no país) em que um grupo de rapazes saia encapuzado a noite para assustar os negros. O nome da organização é derivado do termo grego kuklus, que significa círculo, e a palavra Klan que significa Clã.

Aos poucos a brincadeira foi alcançando mais pessoas e tornando-se mais séria. Logo o grupo já estava perseguindo declaradamente os escravos recém libertos,  impedindo que eles fossem integrados à sociedade. A ideologia do clã também tem a religião protestante anglo-saxônica como suprema em relação às outras. No ano de 1915 os ataques da KKK já estavam atingindo também os estrangeiros, os judeus e a igreja católica. A organização não era piedosa com suas vítimas; as linchava sem dó nem piedade. Neste mesmo ano chegou a possuir 4 milhões de membros.

No ano de 1872 o governo finalmente reconheceu a organização como uma entidade terrorista, e então sua prática passou a ser anticonstitucional, podendo levar os membros do grupo a prisão. Isso fez com que a KKK fosse desfeita e se acalmasse por uns tempos.

A volta do KKK

Em 1915 foi criado um novo grupo da Klan, com menos força que o primeiro, claro. Pois além de ainda ser uma atividade ilegal, as pessoas já haviam amadurecido bem mais em relação ao preconceito pela cor de pele. Mas mesmo assim, o número de membros do grupo chegou aos 4 milhões, e muitos políticos e pessoas importantes estavam incluídas nos membros.

Além de perseguir os negros, judeus e católicos, começaram a perseguir também os imigrantes, e em alguns casos até as prostitutas, pois diziam lutar pelos bons costumes. Muitas vezes obrigavam as vítimas a votar no partido dos democratas nas eleições, e quase sempre as puniam com várias chibatadas.

Decadência do Ku Klux Klan

Com a crise de 29 e a segunda guerra mundial a organização começou a sua fase de decadência. Vários dos membros se alistaram para ir lutar na guerra – principalmente depois do ataque de Pearl Harbor – e várias subdivisões foram sendo formadas dentro do Klan, o que contribuiu para a diminuição dos membros. Alguns membros se transferiram para outros grupos com ideologias parecidas e que estavam ficando mais fortes e conhecidos, como os nazistas por exemplo. Aos poucos as atividades do grupo foram sendo diminuídas, e hoje, apesar de ainda existirem, pouco se escuta falar. Acredita-se que atualmente o KKK conta com apenas 3 mil membros.

Curiosidades sobre a organização

  • Chegaram a matar 3.446 negros entre os anos de 1882 e 1968.
  • A segunda geração do grupo costumava tocar fogo em grandes cruzes de madeira, deixando-as assim como uma marca registrada do KKK.
  • Suas vítimas eram marcadas com o ‘KKK’ na testa ou nas costas.
  • Os membros do clã costumavam andar em cima de cavalos, encapuzados e com vestes brancas que os deixavam com aparência fantasmagórica.