Lenda da Flor de Lotus?


Lenda da Flor de Lotus

Segundo a Lenda da flor de lotus, ela representa a expansão espiritual em meditação. | Foto: Reprodução

A flor de lótus é vista como um símbolo sagrado para os hindus, sendo venerada e respeitada. Ela é muitas vezes associada à imagem de Buda, representando pureza e sabedoria. Em alguns países, como o Japão, ela é tão admirada, que ao chegar a primavera, as pessoas vão para os lagos assistir a transformação do botão em flor.

Importância e lenda da flor de lotus

Segundo a lenda budista, Siddhartha, que algum tempo depois se tornaria o Buda, quando tocou o solo e deu seus primeiros sete passos, sete flores de lótus nasceram no local. Sendo assim, podemos interpretar que cada passo do Bodhisattva é uma fase para a expansão espiritual. Esse momento foi tão marcante, que todos os Budas são representados em cima de uma flor de lótus, que quando aberta, simboliza a expansão espiritual em meditação (também conhecida como dhyana), onde as pétalas e o centro suportam todos os mantras dos Budas.

Da mesma forma que essa expansão espiritual, os chacras (consciência do corpo humano) também são representados como uma flor de lótus, onde a quantidade de pétalas corresponde ao seu número de funções e as cores o seu caráter individual.

Para entender melhor, o significado original dessa flor pode ser visto com mais clareza quando vemos a seguinte semelhança: assim como a flor de lótus nasce em meio à escuridão do lodo até a superfície da água, desabrochando apenas após ter passado por esse caminho, da mesma forma, a mente, nascida do nosso corpo, começa a expandir todas as suas qualidades (que podem ser comparadas às pétalas), após ter passado por obstáculos que a paixão e a ignorância nos põe.

Ou seja, a flor de lótus pode ser vista como a síntese viva do mais profundo e escuro e do mais elevado e radiante, pois apesar de manter suas raízes nas profundidades do lodo, sua cabeça está além da superfície da água, elevando-se à luz. Caso o impulso de ir de encontro a essa luz não estivesse presente na semente escondida na terra, o lótus nunca poderia erguer-se. O mesmo acontece com o ser humano: se o impulso para uma maior consciência espiritual não estivesse em estado letargo mesmo nos momentos de ignorância, o indivíduo nunca conseguiria se reerguer.