Infarto precoce – fatores que levam ao problema do miocárdio


Infarto Precoce

Foto: Reprodução

Está cada vez maior o número de casos em que adolescentes e pessoas de meia idade morrem por conta de um infarto precoce. De acordo com estudos recentes, a idade mais atingida está entre os 18 e os 35 anos de idade, números que são assustadores para um problema desse tipo. Segundo especialistas, o principal motivo está na alimentação de baixa qualidade nutritiva, sedentarismo, tabagismo e até fatores genéticos. Há alguns anos, casos de infarto só eram vistos em pessoas com mais de 60 anos de idade, mas esse quadro vem mudando drasticamente, por conta do abuso de “fast food”, cigarro e álcool.

É comprovado que os infartos que ocorrem em pessoas mais jovens, matam mais do que aqueles em idosos. A explicação está em apenas uma palavra: aterosclerose. Trata-se do acúmulo de ateromas (placas constituídas de gordura) que grudam nas paredes das artérias. Esse problema é mais prejudicial em pessoas jovens, pois as mesmas ainda não desenvolveram o que os especialistas chamam de “circulação colateral”, que é um tipo de “defesa” criado pelo próprio organismo contra o acúmulo dessas placas. Por esse motivo, os infartos alcançam um grau mais grave nas pessoas mais jovens, devido à falta desse sistema de defesa.

Uma pesquisa feita nos anos 90 no Hospital do Coração de São Paulo, chegou à conclusão de que no Brasil, os infartos em pessoas com menos de 55 anos de idade chega a ser 40% maior do que no restante do planeta. Outra pesquisa ainda constatou que quase 90% das pessoas que tinham infarto com menos de 40 anos de idade eram fumantes ativos e fumavam mais de 20 cigarros por dia.

Causas

Dentre outros fatores, a aterosclerose, doença que causa o infarto precoce em jovens, é causado principalmente por:

Prevenção

Segundo cardiologistas, a aterosclerose começa bem antes dos 40 anos de idade, podendo vir desde a infância do indivíduo. Ou seja, se você tem algum parente que tenha ou teve o problema, mesmo sem infarto, procure ir periodicamente a um médico cardiologista, explicando a situação, para que sejam feitos exames de rotina e, se for o caso, tratar a doença quando ela ainda estiver no início.

Além disso, é aconselhável:

  • Evitar fast food (procure comer esse tipo de alimento no máximo uma vez por semana);
  • Fique longe de lugares/situações que lhe causem estresse;
  • Evite o cigarro. Se fuma, procure maneiras de parar como adesivos de nicotina, acupuntura, meditação, entre outros.