História e fotos de carros Lamborghine


História da marca Lamborghine:

A Lamborghini é uma das montadoras de carros de luxo mais renomadas do mundo. O nível dos carros dela se equiparam a Ferraris. Por falar nos carros de Enzo Ferrari, você sabia que a empresa Lambroghini só existe por causa da Ferrari?

Ferrucio Lamborghini, empresário de ramo da indístria de tratores, comprou uma Ferrari 250 GT. Depois de um tempo a embreagem do carro começou a dar defeito. Assim sendo, Ferrucio foi reclamar do defeito com o comendador Enzo Ferrari, e este, por sua vez disse ao Sr. Lamborghini: “Você não entende nada de carros. Vá dirigir tratores!”. Ferrucio respondeu a Enzo: “Eucriei uma marca melhor que a sua!”.

Reza a história que Ferrucio consertou a sua Ferrari e começou a produzir carros superesportivos.

Em 1963 ele fundou oficialmente a Ferruccio Lamborghini Automobilo, na cidade de Sant’Agata Bolognese, que fica á apenas 17 km de Modena, onde fica a sede da Ferrari.

O primeiro protótipo foi o 350 GTV (Gran Turismo Veloce), que tinha um motor V12 de 3,5 litros e 360 cv, alcançando 280 km/h, acelerando de 0 a 100 km/h em apenas 6.7 segundos, fazendo sua estréia no Salão de Turim. No ano seguinte, o modelo de produção, chamado 350GT, foi revelado no Salão de Genebra. O carro vinha equipado com um motor V12 de 280 cv de potência, com suspensão independente, câmbio de 5 marchas e freios a disco. Em 1965 a fábrica construía um interessante chassi, chamado de P400 que fez muito sucesso no Salão de Turim do mesmo ano. No inverno, Ferruccio encomendou a Bertone uma carroceria para o modelo. Nascia um dos mais belos carros esporte feitos por este estúdio em todos os tempos: o Miura P400, desenhado por Marcello Gandini. Miura era uma raça de touro, uma das grandes paixões do fundador da empresa, que lançou muitos automóveis com nomes de raças. A fama da LAMBORGHINI como fabricante de carros espetaculares começava a crescer.


Em 1968, o modelo Islero 400GT, foi apresentado no Salão de Genebra, com chassi de alumínio, um motor V12 de 320 cv, suspensão independente e freios a disco. O visual surpreendente do modelo Espada (primeiro carro da montadora com capacidade para quatro pessoas) foi outra novidade do mercado apresentada pela montadora. Era baseado no protótipo Marzal do estúdio Bertone e combinava a aparência, performance e dirigibilidade de um esportivo com o conforto e luxo de uma perua. O Espada foi um dos carros mais bem sucedidos da LAMBORGHINI. Nos anos 70, o futuro era incerto para a LAMBORGHINI. Sua divisão de tratores fora vendida a Fiat, e ao mesmo tempo, o mercado de automóveis superesportivos andava em baixa por causa das crises do petróleo. Falida a empresa foi entregue a um grupo de investidores suíços, e Ferrucio viveu o resto de seus dias longe de problemas, em uma bela propriedade rural. Ele morreu ao 76 anos de idade em 1993.


O modelo Countach, de 1974, foi a última criação da marca sob o domínio de Ferrucio. No ano de 1977, a montadora desbravava novos caminhos com o lançamento do Cheetah, modelo off-road (fora de estrada) que entrou no mercado dos veículos militares. Quatro anos depois, o LM001, sucessor do Cheetah, começa a ser produzido. Os suíços que passaram a administrar a montadora italiana não demoraram a revender a empresa para o grupo americano Chrysler. A montadora começou então a preparar um motor para equipar carros de Fórmula 1. A estréia nesta competição automobilística ocorreu em 1989, mas nunca teve sucesso.

E foi neste tempo que nasceu o superesportivo Diablo, no ano de 1990. Com um design surpreendente, o carro, mais uma vez, vinha com o motor 4.0 litros V12, chassi tubular, portas que abriam para cima (conhecidas como portas gaivota) e 375 cv de potência. Apesar do sucesso do novo modelo, a Chrysler também começou a viver dificuldades financeiras e, mais uma vez, a LAMBORGHINI teve que ser passada adiante, agora para um grupo da Indonésia, que no fim dos anos 90, se viu em meio a uma grave crise. Novamente parecia que o fim seria inevitável. Aí, aconteceu uma surpresa: a Audi (que atualmente pertence a Volkswagen) comprou a LAMBORGHINI em 1998 e salvou a montadora italiana da falência.

Inicialmente a montadora alemã seguiu produzindo e vendendo o Diablo, mas fazia tempo que a marca não lançava um novo automóvel. No salão de Frankfurt de 2001, exatos 11 anos após a apresentação, o inesquecível modelo Diablo, enfim, ganhou um sucessor: o superesportivo Murciélago. A palavra significa “morcego” em espanhol, mas não tem nada a ver com mamíferos voadores. Murciélago era o nome de um touro tão nobre que, em 1879, foi poupado numa tourada e transformado em reprodutor. Nos anos seguintes a montadora italiana lançou modelos exclusivos como o Gallardo e mais recentemente o Reventón, e continua criando superesportivos cobiçados por muitos, mas produzidos para poucos.

Fotos de carros Lamborghini:

Foto da Lambroghini Miura P400 lançada em 1966

Foto da Lambroghini

Foto da Lambroghini Urraco lançada em 1972

Foto da Lambroghini

Foto da Lambroghini Countach lançada em 1974

Foto da Lambroghini

Foto da Lambroghini LM002 lançada em 1986

Foto da Lambroghini

Foto da Lambroghini Diablo lançada em 1996

Foto da Lambroghini

Foto da Lambroghini Murciélago lançada em 2001

Foto da Lambroghini

Foto da Lambroghine Gallardo Spyder lançada em 2006

Foto da Lambroghini

Foto da Lambroghini Miura Concept lançada em 2006

Foto da Lambroghini

Foto da Lambroghini Reventón lançada em 2007

Foto da Lambroghini