História do rei Salomão, o homem mais sábio que já existiu


Rei Salomão

Salomão foi rei dos judeus, considerado o rei de maior sabedoria entre todos, substituiu seu pai, Davi, de quem era o décimo filho. A história dessa sucessão é controversa, constando registros de que ele tenha assumido o trono através da influência de sua mãe, noutros, que, por ser tão impressionante sua inteligência, o próprio pai o teria nomeado.

Assumindo o trono executou inimigos, como o irmão Adonias, a quem pertenceria o trono por direito e um general, que conspiravam contra seu pai, Davi. Seu governo após a morte de Davi foi tido como despótico, mas ele equipou e fortaleceu seu exército, construiu fortalezas e marcou seu nome na história da humanidade como um rei que levou Israel ao máximo poder militar e comercial. Também foi protetor das artes e comércio, tendo sido respeitado e formando boas relações com países vizinhos, como Fenícia, Arábia e Síria, criando uma frota mercante que chegou aos limites conhecidos.

Templo de SalomãoProjetou construções incríveis, como o Templo de Jerusalém, que depois passou a se chamar Templo de Salomão. Este, inclusive, foi construído por ele, com segundas intenções, segundo dizem, já que este era um projeto de seu pai, que não conseguiu realizá-lo por ter se envolvido em guerras que tomaram seu tempo. Se Salomão não o construísse, o povo hebreu levaria adiante essa ideia de qualquer maneira, então o rei atendeu aos anseios do povo, enquanto, por outro lado, a destinação foi outra. Seguiu as especificações da construção, mas construiu uma verdadeira escola de saber oculto, como as que vira no antigo Egito, quando lá estivera pouco antes de ser nomeado rei.

Existem dezenas de lendas acerca da construção do Templo, em cada uma das religiões ou seitas que tem em Salomão um detentor de poderes extrasensoriais, ou poderes de magia e conhecimentos fora do comum. Um exemplo: há lendas sobre Salomão dominar “gênios”que o instruíram a descobrir como construir o templo sem barulho de pedras sendo quebradas, o que se atribui ao conhecimento que tinha sobre a seiva que existia já naquela época e que amolecia a superfície das pedras.

Quanto a isso, não pode haver dúvidas, ele foi um rei extraordinário e com uma sabedoria muito à frente de seu tempo e de seus contemporâneos. Estudou em escolas de mistérios e magias no Egito e, por conta de seus conhecimentos avançados, também construiu importantes obras hidráulicas, como aquedutos para irrigação e abastecimento e reservatórios.

Salomão teve 700 esposas e 300 concubinas, segundo consta, apesar disso, teve tempo para compôr obras poéticas, escreveu o Cântico dos cânticos, os livros bíblicos Eclesiastes e Provérbios e o Salmo 72. Quanto à estas autorias existem controvérsias, mas, uma história, contada em Reis I e II, o tornou um célebre juiz, no caso em que duas mulheres disputavam uma criança, ambas afirmando serem a mãe, quando o rei, então, ordenou que cortassem a criança ao meio para que cada uma ficasse com sua parte, já que não chegavam a um acordo. Quando, então, uma das mulheres, em desespero, abriu mão da criança em favor da outra e o rei descobriu, assim, qual era a verdadeira mãe.

Após sua morte, seu reino se dividiu entre Israel e Judá.