Distrofia Muscular: o que é, causas, sintomas e tratamentos


Distrofia muscular

O que é?

Alterações nos tecidos musculares de forma degenerativa.

Causas

As alterações são causadas pela baixa ou nula produção de proteínas que desempenham papel único no desenvolvimento da musculatura esquelética. Essas alterações podem ser causadas por qualquer um desses fatores durante o desenvolvimento do bebê:

  • Mutações
  • Herança
  • Erro genético.

A mutação de um dos milhares de genes que programam as proteínas, afeta o funcionamento das células do organismo, que não executam suas funções adequadamente quando as proteínas são produzidas em quantidades reduzidas.

Sintomas

São mais de trinta tipos diferentes e com características variáveis, sendo diferenciadas por aspectos como: área afetada, idade em que se manifesta gravidade, evolução do quadro e mecanismo genético. As características principais em todos os casos são: Atrofia e fraqueza muscular progressiva.

Distrofia muscularDistrofia de Duchenne é o tipo mais comum, ocorrendo em um a cada 3.500 nascimentos, somente de indivíduos do sexo masculino. Foi o primeiro a ser descrito, em 1861. Nesse caso, a proteína que falta é a distrofina, que é essencial ao desenvolvimento muscular. A criança, apesar de nascer normal, demora mais do que as outras para andar e, a partir dos dois anos, começa a cair muitas vezes, demonstrando que algo não está bem. O quadro vai piorando progressivamente e, aos seis ou sete anos, ela perde a capacidade de subir escadas, correr, etc. Aos dez ou doze anos, já não pode caminhar. Depois os braços são atingidos e, nos casos avançados, há o comprometimento respiratório (por causa do Diafragma, músculo responsável pela respiração) e cardíaco.


Distrofia muscular

Estágios da evolução da doença.

Distrofia muscular de Becker: Embora se pareça muito com a Distrofia muscular de Duchenne quanto aos sintomas iniciais, a Distrofia de Becker apresenta-se mais tardiamente, evolui mais lentamente e tem uma grande variação do grau de comprometimento muscular dos portadores. Afeta cerca de um a cada trinta mil nascimentos.

Tratamentos

Apesar de muitas pesquisas em terapia genética e celular, um tratamento efetivamente eficaz ainda não foi encontrado e ainda não há cura, para estas distrofias, sendo a fisioterapia e a hidroterapia, os tratamentos comumente indicados para prevenção de contraturas musculares em torno das articulações. Também em alguns casos, quando há músculos contraídos e doloridos, a cirurgia é indicada. O uso precoce de corticóides, em alguns casos, também se torna útil para diminuir o processo inflamatório do músculo.  Atualmente, as esperanças estão concentradas nas pesquisas com células-tronco, que possibilitariam a substituição das células musculares que não funcionam adequadamente.

Fontes de informações

http://www.copacabanarunners.net

wikipedia.org

http://mmspf.msdonline.com.br

http://www.drauziovarella.com.br