Discografia completa dos Mamonas Assassinas


mamonas assassinas

Resumo sobre a carreira dos Mamonas Assassinas:

Antes de se chamar Mamonas Assassinas
, o grupo musical formado por, Júlio Rasec, Sérgio Reoli, Dinho, Bento e Samuel chamava-se Utopia, uma banda que tocava como cover grupos como Legião Urbana, Titãs e Rush.

Utopia não fez muito sucesso. Uma prova disto é que vendeu apenas 80 cópias o primeiro e único disco lançado.

O que salvou a banda foram as paródias que eles faziam entre uma música e outra. Tal sucesso com o gênero cômico fez com que  banda mudasse seu estilo.

Através de um show em uma boate em Guarulhos, conheceram o produtor Rick Bonadio. Decidiram, então, mudar o perfil da banda, a começar pelo nome, “Mamonas Assassinas do Espaço”, criado por Samuel Reoli e reduzido para “Mamonas Assassinas”.

Mandaram uma fita demo com as músicas “Pelados em Santos”, “Robocop Gay” e “Jumento Celestino” para 3 gravadoras, entre elas a Sony Music e a EMI. Rafael Ramos, amigo da banda, baterista da banda Baba Cósmica e filho do diretor artístico da EMI, João Augusto Soares, insistiu na contratação. Após assistir uma apresentação do grupo em 28 de Abril de 1995, João Augusto resolveu assinar contrato com os Mamonas.

Após gravar um disco produzido por Rick Bonadio (apelidado pela banda de Creuzebek), os Mamonas saíram em imensa turnê, apresentando-se em programas como Jô Soares Onze e Meia, Domingão do Faustão, Xuxa Park, Domingo Legal e tocando cerca de 8 vezes por semana, com apresentações em 25 dos 27 estados brasileiros e ocasionais dois shows por dia. O cachê dos Mamonas tornou-se um dos mais caros do país, R$50 à 70 mil, e a EMI faturou cerca de R$80 milhões com a banda. Em certo período, a banda vendia 100 mil cópias a cada dois dias.

Os Mamonas preparavam uma carreira internacional, com partida para Portugal preparada para 3 de Março de 1996. Porém em 2 de Março, enquanto voltavam de um show em Brasília, o jatinho Learjet em qe viajavam, prefixo LR-25D – PT-LSD, chocou-se contra a Serra da Cantareira, numa tentativa de arremeter vôo, matando todos que estavam no avião. O enterro, no dia 4 de Março, fora acompanhado por mais de 65 mil fãs.

Fora anunciado um filme da história da banda, baseado em Blá, Blá, Blá – A Biografia Autorizada dos Mamonas Assassinas de Eduardo Bueno, e a ser dirigido por Maurício Eça. A responsável pelo filme será a Tatu Filmes, em parceira com a Rede Record. Existiram riscos de o filme não ser produzido, devido ao possível fim do contrato entre a Tatu Filmes e a Record, haja visto que a produtora não conseguia concluir o filme devido a problemas de documentação envolvendo as gravadoras e os familiares dos integrantes do grupo. O problema foi resolvido e a Tatu Filmes já se prepara para o lançamento do filme.

Discografia/cds completa dos Mamonas Assassinas:

Álbuns de estúdio

  • Mamonas Assassinas (1995)

Coletâneas

  • Atenção, Creuzebek: A Baixaria Continua (1998) – coletânea de versões ao vivo, com três músicas inéditas gravadas em estúdio: “Joelho”, “Onon Onon” e “Desnudos en Cancún” (versão em espanhol de “Pelados em Santos”).

Álbuns ao vivo

  • Mamonas ao Vivo (2006) – lançado para lembrar os 10 anos da morte. Inclui “Não Peide Aqui, Baby” (paródia de “Twist and Shout” dos Beatles).