Cólica Biliar: o que é, quais as causas e os tratamentos


Cólica Biliar

Quando há uma obstrução parcial ou total dos canais biliares, muitas vezes ocasionada por conta de cálculos, ocorre uma dor, a chamada de cólica biliar.

Para entender a cólica biliar, é preciso saber o que são os cálculos biliares, fatores que a ocasionam. Os cálculos biliares são cristalizações formadas por alterações químicas em algum componente da bile. Esses cristais geralmente ficam alojados dentro da vesícula biliar, porém, algumas vezes entram pelos canais que transportam a bile, ocasionando a obstrução e inflamação dos mesmos. Essa obstrução e dificuldades de trânsito da bile e dos cálculos pelos canais, provocam uma dor, a cólica biliar, que chama-se assim por não ser uma dor continua, e sim, apresentar altos e baixos em sua intensidade. Essa dor pode ocorrer em até 75% dos casos de pessoas com cálculos na vesícula.

O sintoma mais frequente dessa dor é uma sensação de torcedura, aparecendo na “boca do estômago”. Com o passar do tempo e intensificação da dor, podem ocorrer náuseas e vômitos, que geralmente são amarelados, devido à bile que foi refluída para o estômago. Quando ocorre a obstrução do canal biliar principal, pode ocorrer icterícia, que trata-se da cor amarelada na pele, e parte branca dos olhos. Pode haver também a colúria, que ocorre quando a urina fica em um tom que varia do amarelo escuro ao marrom.

O diagnóstico pode ser feito através da ecografia, que pode mostrar se há a presença de cálculos biliares e também se há inflamação na vesícula biliar, que é verificada de acordo com seu tamanho. Além da ecografia, podem ser feitos vários exames, como ultra-som, colecistografia oral, cintilografia HIDA, entre outros.

O tratamento definitivo para esse problema é a retirada da vesícula biliar. As crises de dores são tratadas com analgésicos e algumas vezes com antibióticos. Alguns anos atrás, era pensado que se o paciente não sentisse nada, não necessitaria de nenhum tipo de tratamento, porém mesmo nesses tipos de casos podem ocorrer complicações, o que não descarta a cirurgia como método preventivo dessas futuras complicações.

 

Fontes de Informações

ABC da Saúde

Wikibio.com

drcarlos.med.br

fisioterapiaepatologiaunidas.blogspot.com