Câncer e o coração


O coração é atingido, na maior parte das vezes, por tumores que não se originam no próprio coração, mas, em tecidos vizinhos a ele, ou ainda por metástases de cânceres localizados em outros órgãos, sendo os mais comuns: o câncer de pulmão, o câncer de mama, melanomas, linfomas ou leucemia.

Sintomas

Coração com Insuficiência CardiacaNem sempre os sintomas são percebidos pelo paciente ou pelo médico, porque, no caso de tumores secundários, como os metastáticos , esses sintomas se assemelham aos de tumores benignos, o que faz com que os sintomas da doença principal, sejam evidenciados no quadro clínico.

Tumores envolvendo o coração costumam causar arritmias cardíacas, pois, além do comprometimento da  função muscular do coração, alteram a parte “elétrica”

Causas

Estudos mostram que os tratamentos de diversos tipos de cânceres, podem afetar a saúde cardiovascular em até 28% dos pacientes. Principalmente devido às variações dos efeitos das terapias oncológicas, por exemplo, as reações adversas das drogas quimioterápicas.

Há a propensão de criar êmbolos, devido à hipercoagulabilidade do sangue, que é característica em pacientes com tumores. Esses êmbolos podem obstruir vasos sanguíneos de qualquer parte do corpo.

O risco de desenvolver endocardite trombótica não bacteriana, é comum aos pacientes que apresentam câncer, principalmente do sistema digestivo e o tratamento pode comprometer o coração.

A radioterapia também é um risco para o coração, pois pode causar arteriosclerose, comprometendo as coronárias, também miocardite actínia ou periocardite, se atingir o pericárdio; tudo isso porque a radiação não atinge apenas a s células doentes,mas as sadias também.

A quimioterapia, usada para alguns tipos de tumores, também pode afetar o coração, mesmo que seus efeitos só apareçam tardiamente, às vezes quando o câncer tratado já foi curado.
Coração

Tratamentos

O tratamento para tumores no coração, dependerá da sua origem, das partes atingidas, do tipo de sintomas apresentados. A critério médico, com o acompanhamento do oncologista e também de um cardiologista, que analisará a idade do paciente, seu quadro clínico, se já sofria de cardiopatias anteriormente, etc.

Prevenção

Além de adotar os mesmos métodos de prevenção a todos os tipos de cânceres, como uma rotina saudável e atividades físicas sempre que possível,  os pacientes de cânceres diversos, podem contar cada vez mais com novas pesquisas e novos medicamentos que estão sendo estudados, que visam à proteção de outras áreas não afetadas pelo câncer, que ataquem apenas a s células doentes. Importante que, após o tratamento e até mesmo após a cura do câncer, o paciente continue com acompanhamento, não só do oncologista, mas de um cardiologista, para que seja possível descartar possíveis consequências dos tratamentos sofridos.

Fontes de Informações

abcdasaude.com.br

saudeebemestarfisicoemental.blogspot.com