Publicado por Redação

analfabeto do a flor de zíaco

Neste último final de semana compreendido entre os dias 6 e 9, eu desci a serra como todo bom paulistano e fui ver o mar com meus primos e uns amigos deles. Mas aí você vai se perguntar: o que tem a ver ir para a
praia com o analfabetismo? Pois bem, explicar-te-ei.

Os institutos de geografia e estatistica do mundo inteiro dividem os analfabetos em dois tipos:
– Analfabeto
– (e) Analfabeto Funcional
Esse primeiro refere-se a todos aqueles cidadãos que não sabem ler, muito menos escrever, nem se quer uma letra. Já este último é designado àquelas pessoas que não sabem ler, mas sabem ao menos escrever seu próprio nome e compreender algumas coisas bem mínimas.

Pois agora observem o diálogo que aconteceu comigo e minha prima:

Prima: Depois da Maria, é pra MIM tomar banho.
Eu: Prima, é pra EU tomar banho.
Prima: Nem vem! Depois dela sou eu!

PS: nomes fictícios

Se você não entendeu, você também é um analfabeto dos quais eu quero citar aqui.

Segundo o IBGE a taxa de analfabetismo de pessoas de 15 anos ou mais no Brasil em 1970 era de 33,6%; e em 2000 a taxa foi de 13.6%. Reparando os dados você logo pensa que o problema do analfabetismo está sendo solucionado conforme os anos, pois houve uma redução de 20% em 30 anos que é não menos que 1,5% ao ano.

Mas como vocês podem ver, essas pesquisas não mostram nenhum pouco a realidade dos ‘alfabetizados’. Uma pessoa que fala: “é para mim tomar banho”, ou então “eu vou se divertir muito hoje”, definitivamente não é uma pessoa alfabetizada na minha opinião.

Um alfabetizado na verdade é aquele que consegue ler, falar, entender, e escrever dominando todas as regras gramaticais e blá blá blá que nos ensinam. Alguns de vocês vão dizer: “E daí se ele escreve ou fala errado? Dá para entender do mesmo jeito!”. Aí é que está a chave, todo mundo pensa assim, e por isso estão cada vez mais burros, porque a sociedade impõe esse tipo de aprendizagem, sem contar que é muito mais bonito falar e escrever corretamente, imagine então ler um livro em miguxês.

Muitos blogueiros, como o cardoso, já sofreram com esse tipo de analfabetismo, onde a pessoa além de não saber escrever direito, não consegue interpretar um texto, cuja porcentagem se o IBGE pesquisasse, seria de mais da metade da população.

Então aqui, agora, nesse momento, eu nomeio oficialmente os Analfabetos Enganados, é um novo tipo de analfabetismo que vem surgindo com os anos, são aquelas pessoas que passam de 4 a 5 horas por dia na escola e não conseguem ao menos entender um texto e se acham alfabetizadas.